O sucesso de uma empresa depende de um conjunto de ações, sendo de extrema importância dar atenção a cada uma delas. Dessa forma, além de garantir que se alcance determinada meta, você também permitirá que os bons resultados permaneçam.

Nesse sentido, a comunicação interna é, sem dúvida, um dos principais pilares de uma organização. Porém, dependendo de como ela é utilizada, pode ser também uma das maiores fraquezas e, até mesmo, aquilo que falta para o negócio ir à frente.

Pensando nisso, no post de hoje, apresentamos os sete maiores erros de comunicação interna que sua empresa deve evitar. Continue a leitura e aprenda a solucioná-los de uma vez por todas!

Plataforma de comunicação ineficiente

É preciso ter em mente o meio pelo qual a comunicação ocorrerá. Pensar na maneira que ela será feita é importante — porém, ter a garantia de que as ferramentas e instrumentos de comunicação estão funcionando é o primeiro passo.

Alguns critérios devem ser preenchidos quanto à escolha da plataforma de comunicação. Essa é uma das maiores dificuldades das organizações, pois a ferramenta escolhida deve ser única, permitir acesso através de qualquer dispositivo, ter linguagem simples e ser de rápido aprendizado — se, contudo, perder o profissionalismo.

A partir do momento em que esse problema for detectado, você poderá investir em novas estratégias — principalmente na aquisição de um sistema de comunicação e de gestão de arquivos.

Desacordo com a cultura organizacional

Toda empresa possui uma identidade, assim como uma cultura que diz respeito ao conjunto de comportamentos, valores e hábitos que ali circulam. Com isso, toda e qualquer estratégia de gestão adotada por uma política de recursos humanos deverá levar em conta o grau de adequação da mesma com o capital cultural da organização

Caso contrário, as chances de conflitos e dificuldade de implementação de novos dispositivos são muito maiores — impossibilitando, muitas vezes, que o processo flua de forma efetiva. Em algumas ocasiões, é preciso fazer uma preparação dos colaboradores antes da adoção de uma ação, o que gerará uma maior confiança dos mesmos no processo e nas consequências positivas que ele poderá trazer.

Mudanças repentinas

Nenhuma mudança, ainda que seja positiva, deve ser feita da noite para o dia! Uma organização é formada por pessoas que compartilham tarefas e objetivos e, como em qualquer outro lugar em que pessoas diferentes convivam, existem dois tipos de movimento conhecidos por influenciarem a dinâmica de grupos

Esses movimentos, descritos pelo teórico Baremblitt, são chamados de instituído — aquilo que já está estabelecido, o velho conhecido, que são os hábitos enraizados na cultura da empresa — e o instituinte, aquilo que visa modificar essa dinâmica cristalizada, trazendo soluções para antigos problemas, extinguindo velhos procedimentos ineficientes e alterando as relações no cerne das questões.

Portanto, reconhecendo que toda instituição possui esse modo de funcionamento, é necessário estar preparado para superar possíveis resistências a novas ações. Uma maneira de se alcançar isso é introduzir a ideia aos poucos e, se possível, incluir os colaboradores nas decisões de forma ativa. 

Conteúdo de baixa qualidade

Após diagnosticar os pontos principais a serem abordados, definir as ferramentas e preparar a equipe para receber as novas estratégias, é necessário buscar um alto nível de qualidade no conteúdo dos instrumentos internos de comunicação.

Dentro desse quesito, os canais de informação devem ser resguardados para questões pertinentes, estabelecendo uma política de conteúdo e definindo o que poderá ser tratado através dos mesmos.

À medida que o teor da comunicação se torna de baixa qualidade, pouco detalhado, prolixo e sem coerência, o desempenho da equipe e o relacionamento interpessoal se tornam falhos e ruidosos. Logo, é preciso compreender que esse aspecto é tão importante quanto o aparato tecnológico!

Descrença dos gestores na estratégia

Quando pensamos em dificuldade de aceitação de novas estratégias de gestão e comunicação,  é natural que seja associado o comportamento descrente por parte da equipe em geral, sem citar os líderes e gestores. Porém, o sucesso de uma ação depende, muitas vezes, do manejo destes próprios líderes e gestores — estando diretamente relacionado à capacidade dos mesmos em confiar e acreditar nos resultados que poderão ser atingidos. 

Um líder desmotivado dificilmente conseguirá inspirar seus colaboradores. A capacitação e o constante aprimoramento das lideranças, buscando um maior nível de autoconfiança, aumentam as chances de sucesso.

Baixo investimento

Todos sabem que, muitas vezes, o barato sai caro! Isso significa que algumas economias acabam trazendo mais prejuízo, à medida que o investimento — mesmo que menor — não se converte em benefícios e, até mesmo, traz outros problemas que podem demandar soluções de alto custo.

Além disso, corre-se o risco de ter que recontratar um mesmo serviço duas vezes, por conta da insatisfação com o primeiro. É claro que otimizar recursos e minimizar custos é tarefa importante em qualquer negócio — no entanto, é preciso reconhecer prioridades essenciais das quais não se pode abrir mão.

Falta de visão estratégica

Não adianta estar diante de uma mina de ouro e não enxergar nada além de pedras! Ou seja, se não houver capital humano qualificado, as ferramentas — ainda que boas — não serão utilizadas em todo seu potencial. 

Muitas vezes, a utilidade de um determinado serviço depende do olhar de quem está analisando-o e utilizando-o. Por isso, o espírito de inovação é imprescindível quando se está diante de uma oportunidade diferente. 

Existem riscos que podem ser calculados e, em quase todos os casos onde se precisa de mudanças, são justamente as inovações que trazem visibilidade e progresso. Por isso, quem busca um destaque no mercado precisa estar preparado para ser pioneiro em algumas decisões. 

Após observar todos esses erros bastante comuns em comunicação interna, pode-se compreender de forma realista os aspectos que estão envolvidos — e que fazem toda a diferença na implementação e execução do processo. 

O tempo é um elemento protagonista em toda mudança. Por isso, é importante que se saiba aproveitá-lo, potencializando ações e estando atento aos momentos que exigem atitudes mais enérgicas. Da mesma forma, é preciso saber a hora de diminuir o ritmo e esperar por resultados antes de prosseguir.

E na sua empresa, como é feita a comunicação interna? Para aprimorá-la cada vez mais e continuar fazendo seu negócio crescer e evoluir, assine nossa newsletter e acompanhe todo o nosso conteúdo!

Deixe um comentário